top of page
Buscar
  • Foto do escritorPsicóloga Laura Regina O. Santana

. Ao ler uma matéria onde Emma Watson

...

fala sobre o motivo da pausa na carreira (o sentimento de sufocamento pelas cobranças externas e internas) e ao me deparar com o depoimento de Mayra Sigwalt sobre como precisou sair do seu ramo de trabalho por sofrer inúmeros abusos, fiquei me perguntando: por quê?


. Por que acreditamos que a falha é individual? Por que vemos o adoecimento como falha? Por que aceitamos o risco do adoecimento como inerente a crescer na profissão?


. Sim, cada um precisa se conhecer, entender seu limite, estabelecê-lo e se cuidar para que seu labor (dentro das possibilidades financeiras, claro) não vire seu inferno. Mas, como sociedade, necessitamos que o trabalho não se torne o inferno, que o assédio não seja admitido, que mais e mais pessoas passem pela dor de adoecer pelo trabalho (e muitas vezes não ter o privilégio de sair dele).


. Como? Nos conhecendo e nos fortalecendo. Conversando com colegas e familiares que vemos passar por isto - ajudando a pensar em estratégias de mudança. Denunciando.

*

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Era uma vez…

... uma adolescente que amava jogar queimado. Mas ela mudou de escola e só tinha futsal e vôlei - e ela passou a fugir das aulas de educação física. À partir daí, seu ranço de esportes e atividades fí

O que você enxerga aqui?

As flores ou os postes no caminho? O cinza do chão ou o azul do céu? . Muito do que vivemos é a interpretação do que percebemos, é o “filtro” que colocamos no nosso olhar. São as crenças que possuímos

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page